Investigação Essencial em Psicoterapia


 

A psicoterapia é hoje uma área de investigação muito estudada, com mais de 60000 artigos académicos publicados nos últimos 30 anos [1]. Um dos primeiros passos na sua história foi o desenvolvimento de numerosas abordagens teóricas, como a psicanalítica, a cognitivo-comportamental e a humanista-existencial [2]. Cada uma destas abordagens investiga e defende um conjunto de teorias de perturbação e intervenção psicológica. Esperava-se que as diferentes psicoterapias, por sua vez, demonstrassem diferenças significativas não só no tipo de intervenções feitas, como que estas intervenções fossem o ingrediente determinante para a eficácia da psicoterapia. Assim, o Séc. XX foi marcado por um clima de competição entre as abordagens terapêuticas, levando a uma era da investigação em parte centrada na comparação directa entre abordagens. [3, 4, 5]

Apesar deste contexto histórico, autores como Rosenzweig [6] e Jerome Frank [7] apelaram desde cedo à existência de “factores comuns” em psicoterapia – isto é, que a parte maior dos resultados clínicos poderiam ser explicados devido a um conjunto de ingredientes transversais a qualquer abordagem terapêutica, como por exemplo a criação e manutenção de uma aliança terapêutica sólida. [8, 9]

 

Este debate psicoterapêutico e as décadas de investigação acumuladas levaram a um conjunto de conclusões, sugestões e desafios relevantes. Iremos dividir estes resultados nos seguintes temas: (1) a eficácia geral da psicoterapia; (2) desafios contemporâneos; (3) o modelo contextual; (4) efeitos do terapeuta; (5) características e acções de psicoterapeutas eficazes.

 

 

 

A década de 50 foi marcada por um debate intenso e controverso entre Eysenck e Strupp, onde o primeiro autor defendeu não existirem provas conclusivas a favor da eficácia das intervenções psicológicas [10]. Este episódio ajudou a despelotar uma nova era de investigação psicoterapêutica, aumentando exponencialmente a quantidade e qualidade de estudos disponíveis. Mais de meio século depois, o que podemos concluir hoje sobre a eficácia das intervenções psicológicas?

  • A psicoterapia é eficaz. [11, 12, 10As intervenções psicológicas têm resultados consistentemente superiores no aliviar do sofrimento psicológico quando comparada à condição de placebo ou ao não tratamento. A investigação sugere que a pessoa em tratamento psicológico tem, em média, melhorias mais significativas que 80% da amostra não tratada.
  • A psicoterapia é, em muitos casos, igualmente eficaz a intervenções medicamentosas, sendo os ganhos terapêuticos da primeira geralmente mais duradouros. [13, 14, 15]
  • As principais abordagens psicoterapêuticas têm hoje um forte apoio empírico a confirmar a sua eficácia para um conjunto alargado de perturbações psicológicas. Os estudos e meta-análises demonstraram a eficácia geral das principais abordagens psicoterapêuticas, nomeadamente: psicodinâmica [16, 17], cognitivo-comportamental [18, 19], humanista-experiencial [20], sistémica-familiar [21] e existencial [22]. Esta eficácia foi comprovada repetidamente para um conjunto de perturbações específicas, como a depressão [23, 24], perturbações de ansiedade [25, 26], stress pós-traumático [27, 28] e perturbações de personalidade [29, 30].
  • As meta-análises disponíveis não encontraram diferenças significativas de eficácia entre as diferentes abordagens estudadas, no geral e para perturbações específicas. [4, 5, 1527, 31, 32, 33] Desde a primeira meta-análise por Smith e Glass em 1977 até aos dias de hoje, a investigação não identificou nenhuma abordagem terapêutica consistentemente e significativamente mais eficaz do que as restantes, sugerindo a existência de outros factores relevantes para os resultados clínicos para lá do modelo utilizado.

Um resumo influente por Michael J. Lambert sugere quatro factores principais a influenciar os resultados terapêuticos: as características do cliente e do seu meio ecológico (acontecimentos extraterapêuticos, apoio social, etc), os factores comuns entre as abordagens, as expectativas do cliente, e as técnicas específicas de cada orientação. [34]

A seguinte imagem resume a investigação sobre o impacto de cada um destes factores:

 

Podemos ver como o principal factor a influenciar os resultados terapêuticos são as variáveis do próprio cliente, englobando as suas caracaterísticas diagnósticas e não-diagnósticas e o seu meio ecológico. Por outras palavras, o cliente e as suas variáveis é o maior preditor dos resultados psicoterapêuticos.

 

Quanto às variáveis da psicoterapia, os factores comuns  

entre as abordagens, como a empatia adequada pelo cliente e a qualidade da aliança terapêutica, correlacionam-se mais significativamente com os resultados terapêuticos dos que as intervenções ou técnicas específicas utilizadas. 

As expectativas do cliente para com a psicoterapia e o psicoterapeuta são também particularmente relevantes para os resultados obtidos.

       Figura 1. Factores que influenciam os resultados

       terapêuticos (Lambert & Barley, 2001) [34]

 

Apesar das intervenções ou técnicas aparentarem ter um impacto inferior aos factores comuns, é relevante mencionar que este impacto poderá torna-se consideravelmente superior quando estudado contextualmente. Isto é, certas intervenções poderão ser particularmente eficazes para certas pessoas em determinadas fases do processo terapêutico. [35] Esta adequação da intervenção às características do cliente e do processo em curso é muitas vezes chamada de responsividade. [36]

 

 

A investigação apresenta também um conjunto de desafios relevantes para a prática psicoterapêutica:

  • Taxa elevada de abandono prematuro do tratamento (“dropout”). A meta-análise mais recente, com base em 669 estudos (N = 83834), encontrou um abandono prematuro médio de 19,7%. [37] Por outras palavras, cerca de 1 em cada 5 clientes abandona a psicoterapia sem ganhos terapêuticos significativos. Regra geral, este abandono não está relacionado com a abordagem utilizada, mas mais com variáveis como a qualidade da aliança terapêutica. [38, 39]
  • Percentagem elevada de efeitos adversos / negativos em psicoterapia. Uma parte considerável dos clientes terminam uma intervenção psicológica em pior estado do que quando a começaram. [40] Entre 5% a 10% dos clientes pioram após a terapia e 35%-40% não experienciam melhorias significativas. [41] A percentagem de efeitos negativos agrava-se para os 15%-23% no caso de intervenções psicológicas com crianças. [42]
  • A maioria dos psicoterapeutas consistentemente sobrestima a sua eficácia psicoterapêutica. A investigação sugere que 25% dos terapeutas acreditam estar no percentil 90 de eficácia, sendo que nenhum terapeuta se avaliou como abaixo da média. [43]
  • A generalidade dos terapeutas é ineficaz no reconhecer de clientes em deterioração clínica e na avaliação do estado da relação terapêutica. [44, 45] Uma meta-análise encontrou que as avaliações da aliança terapêutica, da perspectiva dos clientes e dos terapeutas, se correlacionavam por apenas .36. [46] Terapeutas e clientes tendem também a variar na importância atribuída a diferentes aspectos do processo terapêutico. [47, 48]

 

Existem também desafios importantes quanto ao explicar dos resultados obtidos pelos psicoterapeutas. A literatura tem vindo a apresentar dados - muitas vezes surpreendentes - sobre variáveis do terapeuta que não influenciam os seus resultados clínicos:

  • A eficácia do psicoterapeuta não está relacionada com a sua idade, sexo ou orientação teórica. [49, 50, 51]
  • Muitos terapeutas não melhoram consistentemente a sua eficácia com os anos de experiência clínica, podendo até deteriorar ligeiramente ao longo do tempo. Num exemplo particularmente importante, e no maior estudo deste tipo até hoje, foi reportada uma erosão no desempenho clínico de uma amostra de 170 terapeutas com mais de 6.500 clientes, avaliados longitudinalmente ao longo de um período de 5 anos. [52] Este declínio da eficácia clínica não estava relacionado com a gravidade clínica dos casos, o número de sessões ou vários outros factores do terapeuta (idade, anos de experiência e orientação teórica). Um outro estudo especialmente extenso analisando os resultados obtidos por 281 terapeutas com os seus respectivos 10812 clientes, reportou que os anos de experiência clínica dos terapeutas não eram uma variável preditora dos resultados em terapia. [49]
  • Psicoterapeutas profissionais e terapeutas em treino / supervisão atingem frequentemente resultado clínicos semelhantes. [53, 54]
  • O uso e adesão a intervenções manualizadas não dissipa as diferenças de eficácia clínica entre terapeutas. [55, 56]
Para além de todos os dados apresentados, a descoberta de mecanismos que explicam os resultados terapêuticos continua a ser um dos grandes desafios da investigação contemporânea. [57] Como vimos, a literatura tende a sugerir mais vezes variáveis que não se relacionam com os resultados clínicos, pondo em causa a importância relativa dos modelos teóricos e tipo de treino psicoterapêutico que dominaram as últimas décadas desta área.

 

 

Uma apresentação extensa sobre as origens e fundamentos empíricos deste meta-modelo poderá ser encontrada no livro de Wampold e Imel de 2015, "The Great Psychotherapy Debate: The Evidence for What Makes Psychotherapy Work".
 
O Modelo Contextual (MC) é um meta-modelo de como funciona a psicoterapia. Sintetizando a investigação até aqui apresentada, Bruce Wampold sugeriu este meta-modelo baseado-na-evidência de modo a conceptualizar os mecanismos e ingredientes transversais a qualquer processo terapêutico. Assim, o MC não é mais um modelo de intervenção, mas uma teoria que esclarece como é que os diferentes modelos de intervenção psicológica são eficientes a promover resultados significativos. Tomando como ponto de partida o trabalho pioneiro de Jerome Frank, o MC apresenta uma maneira coerente de organizar o que se conhece actualmente sobre psicoterapia e sobre os processos necessárias para a prática psicoterapêutica eficaz. 
O MC propõe três vias principais de mudança terapêutica: (1) a relação real entre terapeuta e cliente; (2) a criação de expectativas positivas; (3) a promoção de acções terapêuticas dentro e fora de sessão. Embora diferentes modelos teóricos possam enfatizar a importância de uma via em relação às restantes, os autores do MC argumentam que estas vias são interdepentes e que os psicoterapeutas mais eficazes tendem a dar importância e fazer uso explícito de todas elas. 
 Figura 2. O Modelo Contextual (Wampold & Imel, 2015)
 
Os clientes chegam à terapia desmoralizados pelas mais variadas razões, procurando um lugar de apoio e segurança que os ajude a lidar com as suas dificuldades intra e interpessoais. Trazem também expectativas e crenças quanto à terapia e ao terapeuta, que naturalmente irão evoluir ao longo do processo. Este contexto e a ligação inicial com o terapeuta servem de base para as três vias de mudança clínica propostas pelo MC.
 
 
A relação estabelecida entre cliente e terapeuta é considerada como um dos principais veículos de mudança clínica, apesar da sua importância variar entre abordagens terapêuticas. Historicamente, as abordagens humanistas e psicodinâmicas tenderam a dar maior relevância à relação terapêutica do que as abordagens cognitivo-comportamentais. No entanto, a investigação tem vindo a demonstrar que a presença de um terapeuta empático, atento e genuíno tem, per si, efeitos psicológicos significativos. A qualidade desta relação tem também um impacto importante nas variáveis mais técnicas da psicoterapia, já que a relação influencia, entre outras coisas, a motivação e expectativas do cliente.
Por outro lado, os seres humanos são seres sociais, e como tal os efeitos físicos e psicológicos da solidão e privação de contacto social seguro são um factor de risco importante. Embora muitos clientes necessitem de mais do que uma boa relação com o seu terapeuta, este ingrediente é frequentemente fundamental para a mudança clínica. Do mesmo modo, rupturas na qualidade da relação são marcadores importantes de detereoração clínica, tendo o terapeuta de monitorizar, prevenir e reparar possíveis tensões na relação.
 
 
As explicações e significados que os clientes trazem para a terapia para os seus problemas são muitas vezes não-adaptativos, deixando a pessoa a sentir-se presa, confusa e sem esperança. Uma função importante das intervenções psicológicas é a co-construção, entre cliente e terapeuta, de um racional credível que explique ao cliente a essência dos seus problemas e como os enfrentar. Quando esta via de mudança é implementada habilidosamente, a explicação potencia nos clientes expectativas positivas quanto à psicoterapia. Por sua vez, estas contribuem para a esperança de que é possível o cliente viver e sentir-se de outra forma, e que a execução de acções terapêuticas poderá levar a uma melhoria. Deste modo, os terapeutas ajudam o cliente a substituir as suas explicações não-adaptativas por novos racionais potencialmente adaptativos.
Diferentes abordagens terapêuticas tendem a fornecer ou co-construir diferentes explicações para os problemas dos clientes. O que é crítico é que os clientes aceitem a explicação e acreditem que esta levará, através do processo terapêutico e de acções dentro e fora de sessão, a uma redução no seu sofrimento e aumentar da qualidade de vida. Ou seja, os pacientes têm de acreditar que participar e completar com sucesso as tarefas terapêuticas será útil para lidar com seus problemas - o que, por sua vez, cria a expectativa positiva de que os clientes podem responsabilizar-se e tomar controle dos seus problemas.
As intervenções psicológicas sem estrutura e racional terapêutico minimamente definido tendem a ser menos eficazes do que aquelas que deliberadamente se focam na conceptualização e resolução dos problemas do cliente. Segundo o modelo contextual, os terapeutas mais eficazes são mais persuasivos no construir de uma explicação credível para o cliente em causa, criando novos significados para as suas dificuldades e para o modo como o trabalho terapêutico o ajudará.
 
 
Geralmente, não é suficiente para o sucesso terapêutico o criar de expectativas através de uma explicação credível para as dificuldade do cliente e para o modo como a psicoterapia poderá ajudar (Via 2). Terão também de ser implementadas um conjunto de acções terapêuticas, dentro e/ou fora de sessão, congruentes com o racional construído. Mais uma vez, diferentes abordagens focar-se-ão na implementação de diferentes acções. Por exemplo, o terapeuta psicodinâmico poderá focar-se na expressão de emoções previamente reprimidas, enquanto que o terapeuta cognitivo-comportamental poderá plenear com o cliente um trabalho de exposição a um estímulo ansiogénico. É importante referir que terapias muito diferentes, com intervenções completamente distintas, já demonstraram a sua eficácia para as mesmas perturbações psicológicas.
A relação real e a criação de expectativas positivas permitem assim a promoção, inicialmente tentativa, de novos comportamentos adaptativos no cliente. O que todas as intervenções eficazes têm em comum é que os clientes são persuadidos, mais implicita ou explicitamente, a fazer algo que promova a sua saúde e bem-estar.
 
 
O MC toma como base uma perspectiva de factores comuns em psicoterapia. [58]
  • Como vimos anteriormente, estes factores comuns (anteriormente apelidados de “não específicos”) tendem a explicar melhor os resultados clínicos do que as técnicas ou "ingredientes específicos" a cada abordagem. [8]
  • As principais abordagens terapêuticas promovem um conjunto de estratégias clínicas transversais, como o aumentar da consciencialização do cliente e um maior teste à realidade. [59, 60] Assim, terapeutas de diferentes orientações tendem a promover processos psicológicos semelhantes por vias técnicas distintas. Segundo esta perspectiva, a eficácia da terapia dever-se-á menos ao uso específico da "técnica A" ou "técnica B", mas ao uso responsivo destas técnicas de modo a promover mais eficazmente uma estratégia clínica transversal.
  • Duas meta-análises concluem que as abordagens terapêuticas eram igualmente eficazes quando os seus ingredientes específicos eram retirados. [61, 62] Por exemplo, estudos a retirar as intervenções cognitivas de tratamentos cognitivo-comportamentais não influenciaram significativamente os resultados da psicoterapia.
  • Um conjunto importante de revisões de literatura, reunidas por Norcross (2011), revelou que as variáveis terapêuticos com melhor correlação para com os resultados clínicos são transversais a qualquer abordagem. Desta variáveis destaca-se a qualidade da aliança terapêutica, que representa, até hoje, o melhor preditor de resultados em psicoterapia, independentemente do modelo teórico utilizado [9]A aliança terapêutica, definida como o acordo em objectivos e tarefas terapêuticas e a ligação emocional entre cliente e terapeuta [63], é o factor comum "sine qua non" em psicoterapia. As restantes variáveis demonstradas como transversalmente correlacionadas com os resultados clínicos incluem: a empatia adequada do terapeuta [64], a adaptação da terapia às expectativas, cultura, preferências, grau de reactância e estádio de mudança do cliente [65, 66, 67, 68, 69], e a capacidade do terapeuta a reparar rupturas na aliança terapêutica. [70
A tabela seguinte resume as variáveis investigadas em psicoterapia e a sua correlação para com os resultados clínicos. Estas variáveis estão divididas em factores comuns (congruentes com o Modelo Contextual) e ingredientes específicos a abordagens terapêuticas específicas. A grossura das barras representa o número de estudos feitos para cada variável.
 

 

Figura 3. Impacto dos factores comuns e específicos nos resultados terapêuticos (Wampold & Imel, 2015) 

 

Para além dos efeitos consistentemente superiores dos factores comuns, podemos também ver como o terapeuta, como variável isolada, explica melhor os resultados obtidos do que o tipo de tratamento administrado. [71] Este impacto da pessoa do terapeuta representa uma das áreas mais relevantes da investigação contemporânea, pelo que nos iremos focar agora nos estudos dos efeitos e características do terapeuta, e a sua relação para com os resultados clínicos obtidos.
 
 

Para o principal resumo desta investigação, ver Baldwin & Imel, 2013. [72]

 

Os "efeitos do terapeuta" dizem respeito à variabilidade de resultados entre psicoterapeutas, independentemente do modelo teórico utilizado. Sempre que a eficácia de uma ou mais abordagens é estudada numa amostra significativamente grande, alguns terapeutas obtém sistematicamente melhores resultados clínicos do que outros. Aliás, a investigação demonstra consistentemente uma maior variabilidade de resultados entre psicoterapeutas do que entre psicoterapias. Por outras palavras, importa mais quem e como é feita a intervenção do que qual a intervenção ou abordagem utilizada. [72, 12] O Modelo Contextual, apresentado anteriormente, prevê a existência destas diferenças entre terapeutas da mesma orientação teórica - já que, ao implementar os mesmos ingredientes específicos, alguns terapeutas fá-lo-ão com maior habilidade interpessoal e, como consequência, obterão melhores resultados clínicos. [73]
 
Estas diferenças de eficácia entre terapeutas chegam a atingir níveis bastante elevados. Num estudo por Okiishi e colaboradores, por exemplo, os dados de 1841 clientes acompanhados por 91 terapeutas foram analisados, concluindo que os terapeutas cujos clientes mostravam melhorias mais rápidas tinham, em média, uma taxa de mudança 10 vezes superior à média. [74] Num outro estudo importante por Wampold e Brown os terapeutas no quartil superior de eficácia (melhores 25%) tiveram o dobro da eficácia em comparação com o quartil inferior. [50
 
Apesar destes “efeitos do terapeuta” serem hoje um dos principais factores explicativos dos resultados psicoterapêuticos, estes foram durante décadas evitados pelos investigadores. Numa ânsia por desenvolver “intervenções baseadas na evidência”, o interesse em comparar abordagens terapêuticas para perturbações específicas tornou a pessoa do terapeuta na variável negligenciada pela investigação[75] Apesar disto, os estudos indicam sistematicamente que o terapeuta é, acima de qualquer intervenção específica, “o” ingrediente activo da intervenção psicológica.
 
Reunindo a literatura disponível, os efeitos do terapeuta tendem a explicar entre 5% a 9% da variabilidade de resultados em psicoterapia. Este resultado, por sua vez, contrasta o 1% de variabilidade atribuível às técnicas específicas utilizadas em terapia. [72, 12] Estas conclusões foram resumidas elegantemente por Okishii e colaboradores, que argumentaram a favor de uma mudança de paradigma: das terapias baseadas-na-evidência para o estudo de terapeutas demonstrados como eficazes. [74No entanto, como revisto anteriormente, estas diferenças de resultados entre terapeutas não se correlacionam com a idade, sexo e orientação terapêutica utilizada, com os anos de experiência clínica do terapeuta, com a quantidade de treino ou supervisão do mesmo, nem com o grau de adesão a protocolos manualizados de intervenções psicológicas. [50527312]
 
Como poderemos investigar melhor estes efeitos do terapeuta? Baldwin e Imel sugerem um conjunto de estratégias, entre elas a necessidade de mais terapeutas e estudos focados na monitorização de resultados clínicos, permitindo assim identificar os terapeutas mais eficazes e procedendo ao estudo sistemático destes terapeutas. [72] Esta monitorização de resultados clínicos é possível através do uso de sistemas de feedback.
 
Estes resultados acumulados levam-nos a uma nova era da investigação psicoterapêutica, ainda nos seus primórdios. Começamos agora a focar-nos no estudo sistemático da pessoa do terapeuta, as suas características e acções dentro e fora de sessão. Especificamente, a última década foi marcada por um interesse renovado no estudo das variáveis que distinguem um terapeuta com resultados clínicos superiores.
 
 
 

Sabemos, portanto, que certos terapeutas têm resultados consistentemente superiores aos dos seus pares, mas que características definem estes terapeutas de eficácia superior? A tabela seguinte apresenta as principais variáveis do terapeuta identificadas pela investigação como tendo uma correlação robusta para com os resultados clínicos. De seguida iremos desenvolver cada uma destas variáveis.

 

Tabela 1. Características dos terapeutas e sua relação com resultados clínicos. Baseado em Wampold [76] e Wampold et al. [77]

 

  • A capacidade de formar e manter uma boa aliança terapêutica com uma gama ampla de pacientes. A aliança terapêutica é constituída pela ligação emocional entre terapeuta e cliente, e o consenso destes para com os objectivos e tarefas terapêuticas. [63] É o construto de processo terapêutico e factor comum mais estudado pela investigação, tendo demonstrado uma correlação consistentemente forte para com os resultados. [9] Terapeutas mais eficazes são mais capazes de promover uma boa ligação emocional com diferentes tipos de clientes e estabelecer um consenso em objectivos terapêuticos e modos de os atingir (tarefas). [78] O nível de colaboração entre terapeuta e cliente é também um dos mais importantes preditores de resultados, indicando que terapeutas mais eficazes tendem a promover o diálogo, negociação e ajustes contínuos às dimensões da aliança. [79]
  • Capacidades interpessoais facilitadoras do terapeuta. O construto de capacidades interpessoais facilitadores ("facilitative interpersonal skills", ou "FIS") engloba um conjunto de importantes qualidades do terapeuta que têm vindo a demonstrar um impacto robusto nos resultados da psicoterapia. [80, 81, 82] Especificamente, os terapeutas mais eficazes tendem a apresentar as seguintes características:
  1. Fluência verbal: Independentemente da abordagem teórica em causa, o terapeuta eficaz consegue comunicar clara e sucintamente, adaptando o seu discurso ao cliente em causa. Esta fluência verbal é também fundamental para a co-construção de um racional clínico convincente.
  2. Empatia adequada pelo cliente: Esta variável diz respeito a uma capacidade complexa de "entender o mundo pelos olhos do outro", conseguindo reflectir e aprofundar esta experiência em diálogo com o outro. [83] A empatia adequada é um preditor forte de resultados clínicos. [64]
  3. Criação de expectativas positivas: Terapeutas eficazes conseguem aceder às expectativas do cliente e promover uma sensação de esperança quanto aos possíveis benefícios da psicoterapia. Para uma revisão do impacto das expectativas do cliente e intervenções recomendadas, ver Constantino et al. (2012).
  4. Persuasão / racional convincente: A persuasão é a capacidade de induzir no outro uma nova perspectiva ou ideia. Em psicoterapia, envolve a transmissão ou co-criação de um entendimento (racional) claro sobre a origem dos problemas do cliente, e como os enfrentar. Congruente com o Modelo Contextual, esta co-criação de um racional clínico credível e aceite pelo cliente é uma das principais tarefas do psicoterapeuta eficaz. Este racional deverá, por sua vez, promover novas estratégias adaptativas que impactem positivamente o bem-estar psicológico do cliente. [73]
  5. Expressividade emocional: O discurso do terapeuta é relevante não apenas pelo seu conteúdo, mas também pelos seus marcadores não-verbais, como o tom de voz utilizado. Terapeutas mais eficazes tendem a não falar monotonamente ou "desligadamente", mas sim transmitindo um interesse genuíno e presença emocional através da expressividade das suas palavras, modelando esta expressividade consoante o estado do cliente.
  6. Flexibilidade: A capacidade de introduzir a novidade dentro de sessão, "seguir" e "guiar" flexivelmente o cliente e adaptar criativamente os planos clínicos estabelecidos são também características de terapeutas eficazes. Ao invés de seguirem rigidamente as suas próprias ideias, este procuram adaptar responsividade a sua postura e intervenções às necessidades emergentes do cliente. [56, 84]
  7. Reparação de rupturas na aliança: Rupturas na aliança terapêutica são um acontecimento frequente e, possivelmente, inevitável. A capacidade de identificar e reparar estas rupturas influencia os resultados em psicoterapia, permitindo transformar uma deteoração na aliança numa oportunidade terapêutica. [8570] O treino específico nestas competências é um importante desenvolvimento da investigação recente, e recomendado para todos os terapeutas em treino. [86]

É possível avaliar algumas destas capacidades interpessoais facilitadores do terapeuta através do manual de codificação por Anderson e Patterson disponível aqui.

  • Monitorização do progresso clínico. Avaliar continuamente a eficácia da psicoterapia, e adaptar as intervenções consoante o feedback dado pelo cliente, é uma das práticas demonstradas como tendo maior impacto positivo nos resultados terapêuticos. [87] Para mais informações, visite a nossa página sobre a monitorização de resultados e sistemas de feedback.
  • Terapeutas mais eficazes permitem-se duvidar mais do seu próprio discernimento clínico. [88]
  • Prática deliberada. A prática deliberada é uma das características distintivas de profissionais de desempenho superior, definindo-se como o esforço consciente de avaliar rotinamente o seu desempenho pessoal, receber feedback profissional e reflectir sobre o mesmo, identificar áreas específicas onde o desempenho falha e desenvolver, ensaiar, executar e avaliar planos com o intuito de melhorar este desempenho pessoal. Estudos recentes corroboram que psicoterapeutas mais eficazes investem mais tempo em actividades de prática deliberada. [89] Para mais informações, ler a página da Academia dedicada a este tema.

 

Os leitores são também aconselhados a ler as revisões por Ackerman e Hilsenroth sobre características dos terapeutas que influenciam a aliança terapêutica positiva e negativamente.

 

 

Livros:

 

Artigos (clicar para aceder):

 

 

 

[1] Lambert, M. J. (2013). Introduction and historical overview. In M. J. Lambert (Ed.), Bergin and Garfield’s handbook of psychotherapy and behavior change (6ª ed., p. 3–20). John Wiley & Sons.

[2] Norcross, J. C., VandenBos, G. R., & Freedheim, D. K. (2011). History of psychotherapy: Continuity and change. American Psychological Association.

[3] Smith, M. L., & Glass, G. V. (1977). Meta-analysis of psychotherapy outcome studies. American psychologist32(9), 752.

[4] Seligman, M. E. (1995). The effectiveness of psychotherapy: The Consumer Reports study. American psychologist50(12), 965.

[5] Wampold, B. E., Mondin, G. W., Moody, M., Stich, F., Benson, K., & Ahn, H. N. (1997). A meta-analysis of outcome studies comparing bona fide psychotherapies: Empiricially, “all must have prizes”. Psychological bulletin, 122(3), 203.

[6] Rosenzweig, S. (1936). Some implicit common factors in diverse methods of psychotherapy. American journal of Orthopsychiatry6(3), 412.

[7] Frank, J. D., & Frank, J. B. (1993). Persuasion and healing: A comparative study of psychotherapy. JHU Press.

[8] Messer, S. B., & Wampold, B. E. (2002). Let's face facts: Common factors are more potent than specific therapy ingredients. Clinical Psychology: Science and Practice9(1), 21-25.

[9] Horvath, A. O., Del Re, A. C., Flückiger, C., & Symonds, D. (2011). Alliance in individual psychotherapy. Psychotherapy, 48(1), 9-16.

[10] Wampold, B. E. (2013). The good, the bad, and the ugly: a 50-year perspective on the outcome problem. Psychotherapy50(1), 16-24.

[11] Lambert, M. J. (2013). Outcome in psychotherapy: the past and important advances. Psychotherapy, 50(1), 42-51.

[12] Miller, S. D., Hubble, M. A., Chow, D. L., & Seidel, J. A. (2013). The outcome of psychotherapy: yesterday, today, and tomorrow. Psychotherapy, 50(1), 88-97.

[13] De Maat, S., Dekker, J., Schoevers, R., & De Jonghe, F. (2006). Relative efficacy of psychotherapy and pharmacotherapy in the treatment of depression: A meta-analysis. Psychotherapy Research, 16(5), 566-578.

[14] Cuijpers, P., Hollon, S. D., van Straten, A., Bockting, C., Berking, M., & Andersson, G. (2013). Does cognitive behaviour therapy have an enduring effect that is superior to keeping patients on continuation pharmacotherapy? A meta-analysis. BMJ open, 3(4).

[15] Imel, Z. E., Malterer, M. B., McKay, K. M., & Wampold, B. E. (2008). A meta-analysis of psychotherapy and medication in unipolar depression and dysthymia. Journal of affective disorders, 110(3), 197-206.

[16] Shedler, J. (2010). The efficacy of psychodynamic psychotherapy. American Psychologist, 65(2), 98-109.

[17] Leichsenring, F., Klein, S., & Salzer, S. (2014). The efficacy of psychodynamic psychotherapy in specific mental disorders: a 2013 update of empirical evidence. Contemporary Psychoanalysis, 50(1-2), 89-130.

[18] Hofmann, S. G., Asnaani, A., Vonk, I. J., Sawyer, A. T., & Fang, A. (2012). The efficacy of cognitive behavioral therapy: A review of meta-analyses. Cognitive therapy and research36(5), 427-440.

[19] McMain, S., Newman, M. G., Segal, Z. V., & DeRubeis, R. J. (2015). Cognitive behavioral therapy: Current status and future research directions. Psychotherapy Research25(3), 321-329.

[20] Angus, L., Watson, J. C., Elliott, R., Schneider, K., & Timulak, L. (2015). Humanistic psychotherapy research 1990–2015: From methodological innovation to evidence-supported treatment outcomes and beyond. Psychotherapy Research25(3), 330-347.

[21] Heatherington, L., Friedlander, M. L., Diamond, G. M., Escudero, V., & Pinsof, W. M. (2015). 25 Years of systemic therapies research: Progress and promise. Psychotherapy Research25(3), 348-364.

[22] Vos, J., Craig, M., & Cooper, M. (2015). Existential therapies: A meta-analysis of their effects on psychological outcomes. Journal of consulting and clinical psychology, 83(1), 115.

[23]Cuijpers, P., van Straten, A., Andersson, G., & van Oppen, P. (2008). Psychotherapy for depression in adults: a meta-analysis of comparative outcome studies. Journal of consulting and clinical psychology, 76(6), 909.

[24] Cuijpers, P., Andersson, G., Donker, T., & van Straten, A. (2011). Psychological treatment of depression: results of a series of meta-analyses. Nordic journal of psychiatry, 65(6), 354-364.

[25] Cuijpers, P., Sijbrandij, M., Koole, S., Huibers, M., Berking, M., & Andersson, G. (2014). Psychological treatment of generalized anxiety disorder: a meta-analysis. Clinical Psychology Review34(2), 130-140.

[26] Stewart, R. E., & Chambless, D. L. (2009). Cognitive–behavioral therapy for adult anxiety disorders in clinical practice: A meta-analysis of effectiveness studies. Journal of consulting and clinical psychology, 77(4), 595.

[27] Benish, S. G., Imel, Z. E., & Wampold, B. E. (2008). The relative efficacy of bona fide psychotherapies for treating post-traumatic stress disorder: A meta-analysis of direct comparisons. Clinical psychology review28(5), 746-758.

[28] Bradley, R., Greene, J., Russ, E., Dutra, L., & Westen, D. (2005). A multidimensional meta-analysis of psychotherapy for PTSD. American journal of Psychiatry162(2), 214-227.

[29] Leichsenring, F., & Leibing, E. (2003). The effectiveness of psychodynamic therapy and cognitive behavior therapy in the treatment of personality disorders: a meta-analysis. American journal of psychiatry160(7), 1223-1232.

[30] Cristea, I. A., Gentili, C., Cotet, C. D., Palomba, D., Barbui, C., & Cuijpers, P. (2017). Efficacy of Psychotherapies for Borderline Personality Disorder: A Systematic Review and Meta-analysis. Jama psychiatry74(4), 319-328.

[31] Miller, S., Wampold, B., & Varhely, K. (2008). Direct comparisons of treatment modalities for youth disorders: A meta-analysis. Psychotherapy Research18(1), 5-14.

[32] Imel, Z. E., Wampold, B. E., Miller, S. D., & Fleming, R. R. (2008a). Distinctions without a difference: direct comparisons of psychotherapies for alcohol use disorders. Psychology of Addictive Behaviors, 22(4), 533.

[33] Wampold, B. E., Flückiger, C., Del Re, A. C., Yulish, N. E., Frost, N. D., Pace, B. T., ... & Hilsenroth, M. J. (2017). In pursuit of truth: A critical examination of meta-analyses of cognitive behavior therapy. Psychotherapy Research27(1), 14-32.

[34] Lambert, M. J., & Barley, D. E. (2001). Research summary on the therapeutic relationship and psychotherapy outcome. Psychotherapy: Theory, research, practice, training, 38(4), 357.

[35] Norcross, J. C., & Wampold, B. E. (2013). Compendium of treatment adaptations. Psychotherapy in Australia, 19(3), 34.

[36] Stiles, W. B., Honos‐Webb, L., & Surko, M. (1998). Responsiveness in psychotherapy. Clinical Psychology: Science and Practice, 5(4), 439-458.

[37] Swift, J. K., & Greenberg, R. P. (2012). Premature discontinuation in adult psychotherapy: A meta-analysis. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 80(4), 547.

[38] Swift, J. K., & Greenberg, R. P. (2014). A treatment by disorder meta-analysis of dropout from psychotherapy. Journal of Psychotherapy Integration, 24(3), 193–207.

[39] Roos, J., & Werbart, A. (2013). Therapist and relationship factors influencing dropout from individual psychotherapy: A literature review. Psychotherapy Research, 23(4), 394-418.

[40] Barlow, D. H. (2010). Negative effects from psychological treatments: a perspective. American psychologist, 65(1), 13.

[41] Hansen, N. B., Lambert, M. J., & Forman, E. M. (2002). The psychotherapy dose‐response effect and its implications for treatment delivery services. Clinical Psychology: science and practice, 9(3), 329-343. 

[42] Warren, J. S., Nelson, P. L., & Burlingame, G. M. (2009). Identifying youth at risk for treatment failure in outpatient community mental health services. Journal of Child and Family Studies, 18(6), 690-701.

[43] Walfish, S., McAlister, B., O'donnell, P., & Lambert, M. J. (2012). An investigation of self-assessment bias in mental health providers. Psychological Reports, 110(2), 639-644.

[44] Hatfield, D., McCullough, L., Frantz, S. H., & Krieger, K. (2010). Do we know when our clients get worse? An investigation of therapists' ability to detect negative client change. Clinical Psychology & Psychotherapy, 17(1), 25-32.

[45] Hartmann, A., Joos, A., Orlinsky, D. E., & Zeeck, A. (2015). Accuracy of therapist perceptions of patients' alliance: Exploring the divergence. Psychotherapy Research, 25(4), 408-419.

[46] Tryon, G. S., Blackwell, S. C., & Hammel, E. F. (2007). A meta-analytic examination of client-therapist perspectives of the working alliance. Psychotherapy Research, 17(6), 629-642.

[47] Bachelor, A. (2013). Clients' and therapists' views of the therapeutic alliance: Similarities, differences and relationship to therapy outcome. Clinical psychology & psychotherapy, 20(2), 118-135.

[48] Timulak, L. (2010). Significant events in psychotherapy: An update of research findings. Psychology and Psychotherapy: Theory, Research and Practice, 83(4), 421-447.

[49] Brown, G. S., Lambert, M. J., Jones, E. R., & Minami, T. (2005). Identifying highly effective psychotherapists in a managed care environment. American Journal of Managed Care, 11(8), 513-520.

[50] Wampold, B. E., & Brown, G. S. J. (2005). Estimating variability in outcomes attributable to therapists: a naturalistic study of outcomes in managed care. Journal of consulting and clinical psychology, 73(5), 914.

[51] Anderson, T., Ogles, B. M., Patterson, C. L., Lambert, M. J., & Vermeersch, D. A. (2009). Therapist effects: Facilitative interpersonal skills as a predictor of therapist success. Journal of clinical psychology, 65(7), 755-768.

[52] Goldberg, S. B., Rousmaniere, T., Miller, S. D., Whipple, J., Nielsen, S. L., Hoyt, W. T., & Wampold, B. E. (2016). Do psychotherapists improve with time and experience? A longitudinal analysis of outcomes in a clinical setting. Journal of Counseling Psychology, 63(1), 1.

[53] Nyman, S. J., Nafziger, M. A., & Smith, T. B. (2010). Client outcomes across counselor training level within a multitiered supervision model. Journal of Counseling & Development, 88(2), 204-209.

[54] Budge, S. L., Owen, J. J., Kopta, S. M., Minami, T., Hanson, M. R., & Hirsch, G. (2013). Differences among trainees in client outcomes associated with the phase model of change. Psychotherapy, 50(2), 150.

[55] Webb, C. A., DeRubeis, R. J., & Barber, J. P. (2010). Therapist adherence/competence and treatment outcome: A meta-analytic review. Journal of Consulting and Clinical psychology, 78(2), 200.

[56] Owen, J., & Hilsenroth, M. J. (2014). Treatment adherence: The importance of therapist flexibility in relation to therapy outcomes. Journal of counseling psychology, 61(2), 280.

[57] Kazdin, A. E. (2009). Understanding how and why psychotherapy leads to change. Psychotherapy research, 19(4-5), 418-428.

[58] Wampold, B. E. (2012). Humanism as a common factor in psychotherapy. Psychotherapy, 49(4), 445.

[59] Goldfried, M. R. (1980). Toward the delineation of therapeutic change principles. American Psychologist, 35(11), 991.

[60] Goldfried, M. R. (2009). Searching for therapy change principles: Are we there yet?. Applied and Preventive Psychology, 13(1), 32-34.

[61] Ahn, H., & Wampold, B. E. (2001). Where oh where are the specific ingredients? A meta-analysis of component studies in counseling and psycotherapy. Journal of Counseling Psychology, 48(3), 251–257.

[62] Bell, E. C., Marcus, D. K., & Goodlad, J. K. (2013). Are the parts as good as the whole? A meta-analysis of component treatment studies. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 81(4), 722–736.

[63] Bordin, E. S. (1979). The generalizability of the psychoanalytic concept of the working alliance. Psychotherapy: Theory, research & practice, 16(3), 252.

[64] Elliott, R., Bohart, A. C., Watson, J. C., & Greenberg, L. S. (2011). Empathy. Psychotherapy, 48(1), 43–49.

[65] Constantino, M. J., Ametrano, R. M., & Greenberg, R. P. (2012). Clinician interventions and participant characteristics that foster adaptive patient expectations for psychotherapy and psychotherapeutic change. Psychotherapy, 49(4), 557.

[66] Griner, D., & Smith, T. B. (2006). Culturally adapted mental health intervention: A meta-analytic review. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 43(4), 531-548.

[67] Lindhiem, O., Bennett, C. B., Trentacosta, C. J., & McLear, C. (2014). Client preferences affect treatment satisfaction, completion, and clinical outcome: a meta-analysis. Clinical psychology review, 34(6), 506-517.

[68] Beutler, L. E., Harwood, T. M., Michelson, A., Song, X., & Holman, J. (2011). Resistance/reactance level. Journal of Clinical Psychology, 67(2), 133-142.

[69] Norcross, J. C., Krebs, P. M., & Prochaska, J. O. (2011). Stages of change. Journal of clinical psychology, 67(2), 143-154.

[70] Safran, J. D., Muran, J. C., & Eubanks-Carter, C. (2011). Repairing alliance ruptures. Psychotherapy, 48(1), 80–87.

[71] Miller, S. D., Duncan, B., & Hubble, M. (2008). Supershrinks: What is the secret of their success?. Psychotherapy in Australia, 14(4), 14.

[72] Baldwin, S. A., & Imel, Z. E. (2013). Therapist effects: Findings and Methods. In M. J. Lambert (Ed.), Bergin and Garfield’s handbook of psychotherapy and behavior change. (6ª ed., p. 258–297). John Wiley & Sons.

[73] Wampold, B. E. (2015). How important are the common factors in psychotherapy? An update. World Psychiatry, 14(3), 270-277.

[74] Okiishi, J., Lambert, M. J., Nielsen, S. L., & Ogles, B. M. (2003). Waiting for supershrink: An empirical analysis of therapist effects. Clinical Psychology & Psychotherapy, 10(6), 361-373.

[75] Garfield, S. L. (1997). The therapist as a neglected variable in psychotherapy research. Clinical Psychology: Science and Practice, 4(1), 40-43.

[76] Wampold, B. E. (2017). What Should We Practice?. In T. Rousmaniere, R. K. Goodyear, S. D. Miller, & B. E. Wampold (Eds.), The Cycle of Excellence: Using Deliberate Practice to Improve Supervision and Training. (p. 49-65). John Wiley & Sons.

[77] Wampold, B. E., Baldwin, S. A., Holtforth, M. G., & Imel, Z. E. (2017). What characterizes effective therapists?. In L. G. Castonguay & C. E. Hill (Eds.), How and Why Are Some Therapists Better Than Others?. (p. 37-54). American Psychological Association.

[78] Baldwin, S. A., Wampold, B. E., & Imel, Z. E. (2007). Untangling the alliance-outcome correlation: Exploring the relative importance of therapist and patient variability in the alliance. Journal of consulting and clinical psychology, 75(6), 842.

[79] Lambert, M. J., & Cattani, K. (2012). Practice‐friendly research review: Collaboration in routine care. Journal of clinical psychology, 68(2), 209-220.

[80] Anderson, T., Ogles, B. M., Patterson, C. L., Lambert, M. J., & Vermeersch, D. A. (2009). Therapist effects: Facilitative interpersonal skills as a predictor of therapist success. Journal of clinical psychology, 65(7), 755-768.

[81] Anderson, T., McClintock, A. S., Himawan, L., Song, X., & Patterson, C. L. (2016). A prospective study of therapist facilitative interpersonal skills as a predictor of treatment outcome. Journal of consulting and clinical psychology, 84(1), 57.

[82] Anderson, T., Crowley, M. E. J., Himawan, L., Holmberg, J. K., & Uhlin, B. D. (2016). Therapist facilitative interpersonal skills and training status: A randomized clinical trial on alliance and outcome. Psychotherapy Research, 26(5), 511-529.

[83Rogers, C. R. (1975). Empathic: An unappreciated way of being. The counseling psychologist, 5(2), 2-10.

[84] Hatcher, R. L. (2015). Interpersonal competencies: Responsiveness, technique, and training in psychotherapy. American Psychologist, 70(8), 747.

[85] Safran, J. D., & Kraus, J. (2014). Alliance ruptures, impasses, and enactments: A relational perspective. Psychotherapy, 51(3), 381.

[86Eubanks-Carter, C., Muran, J. C., & Safran, J. D. (2015). Alliance-focused training. Psychotherapy, 52(2), 169.

[87] Lambert, M. J., & Shimokawa, K. (2011). Collecting client feedback. Psychotherapy, 48(1), 72.

[88Nissen‐Lie, H. A., Rønnestad, M. H., Høglend, P. A., Havik, O. E., Solbakken, O. A., Stiles, T. C., & Monsen, J. T. (2017). Love yourself as a person, doubt yourself as a therapist?. Clinical psychology & psychotherapy, 24(1), 48-60.

[89Chow, D. L., Miller, S. D., Seidel, J. A., Kane, R. T., Thornton, J. A., & Andrews, W. P. (2015). The role of deliberate practice in the development of highly effective psychotherapists. Psychotherapy, 52(3), 337.

Horários e Contactos

Horário de Atendimento

2ª a 6ª - 8:00h às 21:00h

Sábados - 10:00h às 15:00h

 

Marcação/Informações

Tel: 218 811 710

2ª a 6ª - 11:00h às 13:00h

e das 14:30h às 19:00h

 

Email: clinica@ispa.pt

 

Morada: Rua Jardim do Tabaco, 74, 2º

1149-041 Lisboa